Presidente de Sindicato faz alerta quanto ao golpe do falso agente de saúde

Nelson do Rosário, afirma que os agentes trabalham de forma presencial, com uso de tablet e devidamente fardados.

Foto: Reprodução

O Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde faz um alerta à população feirense para um novo golpe que está sendo aplicado através de aplicativos de mensagem ou por ligação. Os golpistas solicitam dados pessoais como RG, CPF e cartão do SUS. 

O presidente do Sindicado dos Agentes Comunitários de Feira de Santana, Nelson do Rosário, afirma que os agentes trabalham de forma presencial, com uso de tablet e devidamente fardados.

Questionado como ficou sabendo dos casos e quais medidas estão sendo tomadas, Nelson diz: “Ficamos sabendo através da internet. O pessoal da Secretaria de Saúde também nós informou, e a partir daí como presidente do sindicato conversei com advogado e estamos agora no combate a essa situação, tentando ajudar a comunidade a entender. Reforço que a população não abra as portas e não dê ouvidos a nenhum outro agente comunitário que ela já conheça”, falou. 

Os agentes compõe uma equipe multidisciplinar nos serviços de atenção básica à saúde e desenvolve ações para promover a saúde e prevenir doenças perante a sociedade. 

“O agente trabalha com o indivíduo como todo. Desde a gestação até a terceira idade que hoje é considerado idoso. Então o agente comunitário trabalha com peso, crescimento e desenvolvimento da criança. Os idosos e gestantes tem atendimento específicos realizando acompanhamento a ambos”, disse Nelson. 

De acordo com Nelson do Rosário, os agentes de saúde trabalham fazendo o uso de tablet, que está interligado ao sistema de Secretaria Municipal de Saúde. 

“O agente comunitário hoje trabalha com um tablet. Que é direcionado a Secretaria de Saúde, então qualquer dado que uma pessoa aparecer pedindo e não esteja com o equipamento não é o agente titular. São esses picaretas que aparecem para dar problema para as comunidades. No caso em que os tablets estejam com algum tipo de problema, os agentes trabalham com fichas específicas da Secretaria de Saúde. A comunidade já conhece o agente de sua região, o último concurso foi em 2008. Eu quero ver um dia esse povo pagando essa situação, pois está trazendo problema para o sindicato, para os agentes de saúde e principalmente para as comunidades”, relatou. 

Com informações do repórter Joaquim Neto 


Compartilhe

Deixe seu comentário