Artistas locais comemoram retomada dos festejos juninos após suspensão de dois anos seguidos

Festas de São João estão sendo realizadas em todo o interior baiano.

Foto: Bárbara Barreto/Bom Dia Feira

André Galdino, popularmente conhecido como Baio do Acordeon, se tornou uma lenda após ser descoberto por Luiz Gonzaga em Feira de Santana e ser presenteado com uma das suas famosas sanfonas brancas. Após ter o reconhecimento de Gonzaga, Baio foi convidado pelo compositor e cantor Jacinto Limeira, formando o grupo ‘Os Bambas do Nordeste’. 

Adepto do forró pé de serra e fiel a cultura nordestina, a banda de sucesso se reescreve, tendo hoje em sua composição principal: Baio (Acordeon), Mattheus (Triângulo e Voz) e Vivaldo (Zabumba e Voz), contagiando o público sempre que são requisitados em Feira de Santana, cidades circunvizinhas e todo o estado baiano. 

Após dois anos sem os tradicionais festejos juninos, em função das restrições causadas pela pandemia do coronavírus, o grupo retoma a agenda de shows com muita expectativa e empolgação. 

‘A gente chega com a agenda de shows lotada, graças a Deus, e vendo não só a gente, mas outros colegas lotando as agendas, não é só por mim, mas por todos os fazedores de cultura, classe artística que estão trabalhando, estamos vendo as pessoas com muita vontade de dançar, é muito gratificante’, comemora Carlos Mattheus, em entrevista ao Bom Dia Feira nesta véspera de São João. 

O grupo foi um dos inovadores do gênero “forró” com a introdução do trompete e defende a tradição do gênero que encanta gerações. 

‘Jackson do Pandeiro é o rei do ritmo e veio colocando uma bateria no forró, uma inovação. Os Bambas também inovaram, foi o primeiro grupo a introduzir os metais, inovou o forró, mas não perdeu a essência, a característica, o que chamamos de santíssima trindade, triangulo, sanfona e zabumba, porque quando se tira um desses gera uma descaracterização que não pode ser chamada de forró’, pontua Mattheus. 

Com 15 faixas, a banda acaba de lançar o CD ‘O baú dos Bambas’, que conta com sucessos ao longo dos 47 anos de histórias e dez discos gravados, além de coletâneas com outros artistas. 

Assista a entrevista na íntegra: 


Compartilhe

Deixe seu comentário