MINHA CONSCIÊNCIA É O MEU TRIBUNAL

Foto: Divulgação

Desde que comecei aqui neste programa, lá pelos idos de 2018, sempre fui alvo de alguns poucos inteligentes de que eu seria um petista declarado, afinal fazia a defesa do o ex-presidente Lula, alvo de uma perseguição jurídica capitaneada pela patota de Curitiba da Lava Jato. Sempre afirmei que o ex-presidente foi condenado sem provas e por um juiz tendencioso e arrivista. Sabia o que falava, não só porque li o seu processo e também por minha formação de professor de Direito e advogado com três décadas de atuação profissional. Portanto sabia o que falava. O tempo provou que eu estava certo e Lula foi solto e seus processos foram aos poucos extintos pelas razões que apontei. O STF pôs as coisas no seu devido lugar.

Por outro lado, nunca me incomodei com as críticas que faziam aos meus comentários. E olhem que muitos eram ofensas pessoais e atacavam a mim e nunca as minhas ideias ou opiniões. A essa gente sempre utilizei a ironia e completo desprezo pelos ataques. A minha consciência é o meu único tribunal.E para pirraçar minhas opiniões sempre estavam certas ou pelo a sua maioria. Não tenho lado político. Sempre defendi a aplicação correta das leis, o estado democrático de Direito, a democracia e seus valores. Mas infelizmente o que vemos é aqueles que ficavam escondidos em sua insignificância, soltarem seu verbo disseminando a intolerância, o extremismo bocó, o autoritarismo e o reacionarismo, sob a pecha de que a democracia permitia que se expressassem, mesmo que pregassem contra os valores da democracia.

E por que essa introdução toda. Para comentar uma fala infeliz e despropositada que o ex-presidente Lula deu ao jornal espanhol El País. Disse ele ao ser questionado sobre as eleições na Nicarágua que não via problema do crápula do Ortega se reeleger continuamente como presidente de seu país e Angela Merkel ficar 16 anos no poder, Felipe Gonzales, primeiro ministro espanhol ficar 14 anos também. Disse ainda o Lula não sabia os motivos dos adversários do Ortega estarem todos presos e que ele também ficou preso para não sair candidato a presidência do Brasil na última eleição.

É um festival de besteiras ditas pelo ex-presidente. Primeiro que o Daniel Ortega é um ditador sanguinário típico de uma república de bananas. Negacionista, dizia que a pandemia era uma invenção.  Encastelado no poder e distribuiu as estatais para a sua família sem nenhum pudor. Na última eleição fechou os jornais, prendeu todos os opositores e ganhou uma eleição fraudada. Enfim, um sujeito abjeto em todos os sentidos. Compará-lo com as lideranças europeias e as democracias que representam é uma sandice. Angela Merkel foi reeleita democraticamente, a Alemanha é parlamentarista e ela nunca mandou prender seus opositores e nunca perseguiu jornalistas ou a imprensa em geral. O mesmo se deu na Espanha quando se referiu a Felipe Gonzales. A Espanha também é parlamentarista e as eleições sempre seguem a cartilha da democracia, sem nenhum arroubo autoritário de quem quer que seja.

A fala de Lula é despropositada e inadmissível. Ao comparar as democracias consolidadas da Europa com a ditadura nicaraguense é do balacobaco. Mas este tipo de comentário tem repercussão política aqui no Brasil. E explico.

Ao comparar as eleições da Nicarágua com a Alemanha e a Espanha, o ex-presidente Lula abre espaço para tirar uma lasquinha de suas palavras, os dois extremistas travestidos de democratas: Bolsonaro e Moro. Obviamente que os dois irão desancar a comparação de Lula. Bolsonaro, um autocrata declarado, - que tentou um golpe em 07 de setembro último -, na primeira oportunidade irá criticar.

Quanto ao Moro, esta figura representativa do extremismo tchutchuca, que se disfarça de grande democrata, que deseja instalar um tribunal de exceção tendo como modelo a Ucrânia, paraíso da extrema direita provavelmente tentará capitalizar ao máximo a fala errática de Lula a seu favor.

Como vê, sou assim. Não carrego em mim posições políticas que são contrárias à democracia e o estado de direito.  Não importa quem seja o detrator dos valores duramente construídos pela civilização ocidental. Não tenho cores ou bandeiras. Defendo a liberdade de opinião, contanto que ela não ponha em xeque os pilares de uma democracia. Todo aquele que se mostrar contrários a estas conquistas terão o meu total repúdio. Condeno e reprovo totalmente a fala de Lula comparando um país governado por ditador pilantra e sanguinário com países que ao longo do processo civilizatório da humanidade estabeleceram as bases da democracia moderna. E ponto final.

Para encerrar, na última segunda-feira, o Instituto V-Dem da Universidade de Gotemburgo da Suécia apontou que o Brasil está inserido numa terceira onda de autocratização e aponta o decréscimo das democracias no mundo. O estudo aponta que países através de seus governos atacam a mídia e divulgam notícias falsas que contribuem para o declínio da democracia. Não precisa ser cego para entender que estes comportamentos são uma constante do governo Bolsonaro. A pesquisa é feita com mais de 3.500 acadêmicos pelo mundo afora. Inclui neste rol os EUA que aponta o declínio da democracia, fruto do governo Trump. Aquele pateta que incentivou a invasão do capitólio e é o guru do atual ocupante do Planalto. É assim como penso. Ninguém precisa concordar comigo. Apenas digo o que penso.

Compartilhe

Deixe seu comentário