Pfizer entrega ao Brasil 2,1 milhões de doses da vacina em dois voos neste domingo

Remessas vão chegar pelo Aeroporto de Viracopos, em Campinas. Lote faz parte da operação para entregar 17 milhões de imunizantes até o dia 22 de agosto.

Foto: Divulgação

A farmacêutica americana Pfizer entrega ao Brasil, neste domingo (8), mais 2,1 milhões de doses da vacina contra Covid-19, divididas em dois voos. As remessas fazem parte da megaoperação que prevê 17 milhões de doses até 22 de agosto, em 17 voos de Miami (EUA) com destino ao Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP).

As entregas foram separadas em dois aviões com 1.053.000 doses cada um. O primeiro voo chegou às 7h37 e o segundo está previsto para 16h20. No total, a empresa já entregou 41 lotes ao país, totalizando 36 milhões de 200 milhões de imunizantes da vacina Pfizer/Biontech contratados pelo governo federal.

O estado de São Paulo vive um impasse com o Ministério da Saúde em relação às vacinas da Pfizer. O governador João Doria (PSDB) afirmou na última quarta-feira (4) que o Ministério da Saúde entregou apenas metade do previsto no lote mais recente de imunizantes da empresa.

Segundo a gestão estadual, foram repassadas 228 mil doses de um total de 456 mil a que São Paulo teria direito na divisão proporcional entre os estados (o critério é o tamanho da população), o que poderia comprometer o calendário já anunciado, especialmente na imunização de adolescentes.

Por isso, a vacinação deste grupo foi temporariamente suspensa. Na quinta-feira (5), Doria afirmou que vai ao Supremo Tribunal Federal para cobrar o cumprimento do acordo, e garantiu que a imunização de adolescentes, prevista para começar ainda este mês em SP, não será afetada.

Segundo a Pfizer, as doses enviadas ao Brasil são produzidas em duas fábricas nos Estados Unidos, Kalamazoo e McPherson, além de uma fábrica na Europa, Purrs na Bélgica.

A farmacêutica prevê entre o final de agosto e setembro a entrega de 52,4 milhões de doses – que fazem parte do primeiro acordo com o governo federal, firmado no dia 19 de março e que contempla a disponibilização de 100 milhões de vacinas até o final do terceiro trimestre de 2021.

O segundo contrato, assinado em 14 de maio, prevê a entrega de outras 100 milhões de doses entre outubro e dezembro. A farmacêutica diz que vai cumprir o cronograma de entrega total até o final de 2021.

A Pfizer utilizou o Aeroporto de Viracopos para todas as entregas ao Brasil até agora. A primeira remessa teve 1 milhão de doses e foi recebida pelo país em 29 de abril, em cerimônia que contou com a presença do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

A logística de entrega das doses ao governo federal conta com apoio da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal. Equipes acompanham o desembarque em Viracopos e escoltam o transporte rodoviário das doses até o centro de distribuição do Ministério da Saúde, em Guarulhos (SP).

"As vacinas são despachadas de avião até o Aeroporto Internacional de Miami, nos Estados Unidos, para então seguir viagem rumo ao Brasil. Os imunizantes são descarregados do avião entre 30 minutos e 1 hora, dependendo da quantidade, e enviados para o centro de distribuição do Ministério da Saúde, em Guarulhos", informa a Pfizer, em nota.

No fim de maio, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou novas condições de conservação e armazenamento para a vacina da Pfizer, que agora pode ser mantida em temperatura controlada entre 2ºC e 8ºC por até 31 dias. A orientação anterior era de cinco dias.

Antes da liberação dos frascos para a vacinação, as doses da Pfizer precisavam ser armazenadas em caixas com temperaturas entre -25°C e -15°C por, no máximo, 14 dias. Tais condições não permitiam que a vacina fosse enviada para municípios distantes mais que 2h30 da capital do estado.

Informações G1

Compartilhe

Deixe seu comentário