Resumo das Olimpíadas: Brasil fica longe das medalhas na natação e na canoagem

Ana Sátila erra na final da canoagem slalom, enquanto Guilherme Costa erra estratégia nos 800m livre. Madrugada tem agradecimento de Simone Biles, e azaração de Italo Ferreira e Juliette

Foto: Reuters

A madrugada de quarta para quinta-feira não foi de muitas comemorações para o torcedor brasileiro. Nas duas tentativas de medalha, as esperanças do país terminaram nas últimas colocações. Ana Sátila chegou com o melhor tempo à final do C1 na canoagem slalom, mas sofreu uma grave penalidade que a deixou com o último tempo. Já Guilherme Costa, o Cachorrão, errou a estratégia e chegou em oitavo na final dos 800m livre. A madrugada ainda foi de eliminação no remo e derrota no handebol feminino.

Ana Sátila fica sem medalha

A medalha não veio, mas Ana Sátila fez história ao ir à final feminina do C1 na canoagem slalom, sendo a primeira mulher do país a ir a uma decisão na canoagem slalom. Na disputa pelas medalhas da categoria onde tem apenas uma atleta na canoa, a brasileira de 25 anos ficou na décima e última posição, depois de ficar com a marca de 164s71 na sua descida. No Centro de Canoagem Slalom Kasai, ela acabou sofrendo a punição mais grave ao não passar por uma das portas, o que lhe acrescentou 50s ao tempo final da descida. Se não tivesse tido essa punição, o tempo dela seria o quarto melhor da final.

Cachorrão erra estratégia nos 800m livre

Guilherme Costa, o Cachorrão, pecou na estratégia, não fez uma boa prova e terminou na oitava colocação na única final com presença brasileira na manhã de quinta-feira no Centro Aquático de Tóquio. Ele ficou na última colocação nos 800m livre, mais de 11 segundos atrás do americano Robert Finke, que ficou com o ouro. Gregorio Paltrinieri, da Itália, foi prata, e o bronze foi para o ucraniano Mykhailo Romanchunk. Guilherme completou a prova em 7min53s31, bem acima dos 7min46s09 das eliminatórias.

Cielo segue dono de recorde mundial

Um dos novos recordes olímpicos da natação foi estabelecido nesta quinta-feira ainda na manhã japonesa. Mas a boa notícia para o Brasil nos 100m livre em Tóquio foi a manutenção do recorde mundial de César Cielo. Caeleb Dressel ficou com o ouro com o tempo de 47s02, novo recorde olímpico, mas os 46s91 do brasileiro no Mundial de Roma, em 2009, representam o recorde mais duradouro da história da prova.

Brasil na semifinal do BMX corrida

O brasileiro Renato Rezende terminou sua bateria no ciclismo BMX corrida na terceira colocação, o que lhe deu a classificação para as semifinais - os quatro dos seis melhores seguiam adiante. A fase semifinal acontece nesta quinta-feira a partir das 22h (de Brasília), e a disputa por medalhas acontece na sequência.

Remador do Botafogo para na semifinal

O carioca Lucas Verthein não conseguiu a sonhada vaga na disputa de medalhas do remo single skiff nas Olimpíadas de Tóquio 2020. Após se classificar bem nas primeiras fases, o remador de 23 anos de idade terminou em quinto lugar na primeira semifinal da modalidade, na noite desta quarta-feira. Verthein vai disputar a final B, que define de sétimo a 12º lugar, na quinta-feira às 21h15 (horário de Brasília). Apesar disso, seu desempenho em Tóquio já é o melhor da história do Brasil no remo single skiff. Foi a primeira participação de Lucas numa Olimpíada.

Handebol feminino sofre derrota

O handebol feminino do Brasil conheceu nesta madrugada a primeira derrota nas Olimpíadas de Tóquio 2020. O time, que havia vencido a Hungria e empatado com a Rússia, caiu diante da Espanha por 27 a 23, após dominar os primeiros 20 minutos de jogo. Apesar do resultado, o time segue na zona de classificação para as quartas de final.

Informações GE

Compartilhe

Deixe seu comentário