Seleção brasileira feminina vence Zâmbia e vai enfrentar o Canadá nas quartas de final

Mesmo com uma a mais desde o início, Brasil sofre com desentrosamento e forte marcação adversária

Foto: Ayaka Naito

Com muitas reservas em campo, a seleção brasileira feminina venceu Zâmbia por 1 a 0 nesta terça-feira, em Saitama, no encerramento da fase de grupos das Olimpíadas de Tóquio, e se classificou em segundo lugar no Grupo F. Andressa Alves marcou, de falta, o gol da partida. O Brasil terminou com os mesmos sete pontos da Holanda, que goleou a China por 8 a 2 e ficou em primeiro pelo saldo de gols. Na próxima sexta-feira, a seleção brasileira vai enfrentar o Canadá, em Miyagi, pelas quartas de final.

Com o fim da fase de grupos, os confrontos de quartas de final foram definidos. A Holanda vai enfrentar a seleção dos Estados Unidos (segunda do Grupo G), na reedição da final da Copa do Mundo de 2019, vencida pelas americanas. Primeira colocada do G, a Suécia vai jogar contra o Japão, terceiro do E. Já a Grã-Bretanha, primeira colocada do Grupo E, jogará contra a Austrália, terceira do G.

Após a partida, a meia Andressa Alves lembrou de outra jogadora brasileira que fez um gol de falta em Olimpíadas, sua esposa Francielle, que marcou na goleada por 5 a 0 sobre Camarões nos Jogos de Londres, em 2012.

- Acabei roubando o gol dela, então quero dedicar o gol para a minha esposa. Estou muito feliz - brincou Andressa na saída de campo.

O começo do jogo foi marcado por muito tempo de paralisação para atendimentos. Aos nove minutos, Ludmila sofreu falta e caiu em cima da goleira Nali, que levou uma joelhada no rosto e precisou sair para a entrada de Musole. Chamada pelo VAR, a árbitra expulsou a zagueira Mweemba, que derrubou Ludmila em clara oportunidade de gol. Após quase dez minutos de interrumpção, Andressa Alves abriu o placar para o Brasil na cobrança da falta, aos 18. Pouco depois, Bia Zaneratto sofreu um choque de cabeça com Kundananji e também não pôde seguir em campo, substituída por Giovana Queiroz.

Com mais da metade do time titular modificado, o Brasil sofreu com o desentrosamento, além da marcação forte de Zâmbia, e teve dificuldades para criar boas chances de gol na primeira etapa. O panorama não mudou muito no segundo tempo, e mesmo com as seis mudanças feitas pela técnica Pia Sundhage - uma mudança extra foi permitida pela contusão de Bia Zaneratto -, o Brasil não conseguiu encontrar uma boa organização ofensiva.

Informações GE

Compartilhe

Deixe seu comentário