Prefeitura do Rio multa CBF em R$ 54 mil por 'infração gravíssima' na final da Copa América

Agentes constataram aglomeração e o não uso de máscara, entre outras irregularidades. Secretaria diz que vai investigar suspeita de compra de testes RTC-PCR na porta do estádio.

Foto: Roberto Moreyra

A Prefeitura do Rio multou a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) por conta da confusão na porta do Maracanã na final da Copa América, no último sábado (10), quando o Brasil perdeu de 1 a 0 para a Argentina.

A multa foi emitida pela Vigilância Sanitária e cobra R$ 54 mil da entidade, por desrespeitar as medidas sanitárias no município e o protocolo sanitário apresentado pela Conmebol.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), os agentes constataram:

aglomeração nos acessos ao estádio
desorganização no credenciamento de convidados
não escalonamento de horário na chegada à partida
estrutura de acolhimento insuficiente
desrespeito ao distanciamento mínimo de 2 metros
parte do público não usou máscara
não realização do teste de covid-19 em convidados

A pasta afirma que houve respeito à limitação de 10% da capacidade de cada setor das arquibancadas, mas que vai investigar a denúncia de que convidados teriam apresentado testes RTC-PCR falsos.

"A SMS fará o rastreamento por amostragem e que, caso se comprove tal prática, tomará as medidas pertinentes".

A final da Copa América foi marcada por tumulto no acesso ao estádio.

Segundo o Extra, os torcedores esperavam há mais de três horas pela credencial para assistir como convidado à final entre Brasil e Argentina.

Foram distribuídos 4.400 convites, 2.200 para a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), 2.200 para a Associação de Futebol Argentino (AFA). A entidade que cuida do futebol argentino deixou o consulado do país no Rio responsável pelo repasse de parte dos convites.

Em comunicado, a Conmebol informou que detectou "considerável quantidade de provas de PCR fraudulentas de pessoas credenciadas tanto na tribuna argentina como na brasileira".


Informações G1

Compartilhe

Deixe seu comentário