Com pandemia e inflação, brasileiro passa a comer mais salsicha, pão com presunto e mingau

Pesquisa da Kantar mostra que aumento de preços tem alterado as refeições das famílias e elevado o consumo de proteínas e alimentos mais baratos.

Foto: Ugor Feio

A pandemia de coronavírus e alta no preços de alimentos têm provocado mudanças nas refeições dos brasileiros e feito as famílias das classes mais baixas trocarem a carne por proteínas e comidas mais baratas como salsicha, linguiça, hambúrguer, pão com presunto, sopa e mingau. É o que revela estudo divulgado nesta sexta-feira (11) pela consultoria Kantar, líder global em dados.

O levantamento mostra que o impacto da inflação alterou tanto o cardápio como o preparo de refeições dentro e fora e casa.

A disparada nos preços das carnes, por exemplo, tornou a presuntaria a proteína da vez, com um ganho de mais de 6,2 milhões de novos lares compradores entre março de 2020 e o mesmo mês deste ano.

Outros saltos expressivos no período de 1 ano foram observados no consumo hambúrguer (3,1 milhões de novos lares), linguiças (2,7 milhões) e pão industrial (3,6 milhões) e maionese (2,2 milhões).

"Por conta do aumento de preço das proteínas, o consumidor trocou por opções processadas, embutidas e até congeladas, que tenham preço mais acessível", destacou Luisa Teruya, coordenadora de marketing da divisão Worldpanel da Kantar.
Segundo os dados da inflação oficial do país, os preços das carnes subiram 2,24% em maio, acumulando 38% de variação nos últimos 12 meses.

De acordo com a Kantar, as mudanças no cardápio das refeições também reflete o maior consumo de lanches e de preparo de marmitas como estratégia para diminuição dos gastos fora de casa entre os consumidores de classes mais baixas, mostrando que a necessidade de "fazer caber no bolso".

Além da substituição de proteínas, foi observado uma maior frequência do consumo de caldos, tapioca, pipoca e mingau. De acordo com a Kantar, a quantidade de ocasiões da presença de mingau nas refeições das famílias cresceu 29% na comparação com o 4º trimestre do ano passado, enquanto que a de carnes vermelhas caiu 11%.

"O mingau foi o 8º prato que mais cresceu o consumo dentro de casa. E uma coisa interessante é que ele não cresce só numa ocasião de café da manhã. Está entrando no jantar, no lanche da manhã, na ceia e tem pessoas levando o mingau como marmita também. É uma opção para sustentar, mas que tem um custo mais acessível", explica a coordenadora da Kantar.
Segundo o levantamento, as ocasiões de consumo de mingau aumentaram principalmente no jantar ( 8 pontos de penetração) e lanche da manhã ( 3,9 pontos). Na ceia e marmitas, a alta foi de 2,8 pontos e 1,9 pontos, respectivamente.

Veja a seguir os produtos que tiveram o maior aumento na frequência de consumo:

Caldos e sopas
Peixe
Hambúrguer
Carne de sol/seca
Salsicha
Pipoca
Tapioca
Mingau


Informações G1

Compartilhe

Deixe seu comentário