Pintor preso por suspeita de matar dona de casa é liberado por falta de provas

Ana Rita Borges de Almeida, 59 anos, que residia na rua Doutor João Mangabeira, bairro Serraria Brasil, em Feira de Santana, foi encontrada morta, no final da tarde de quarta-feira (10), dentro da residência onde morava.

Foto: Divulgação

A juíza Márcia Simões, da Vara do Júri de Feira de Santana, concedeu a soltura do pintor Edson Miranda de Oliveira, que estava preso sob suspeita de envolvimento na morte da dona de casa Ana Rita Borges de Almeida, de 59 anos, que foi encontrada morta dentro de casa, no bairro Serraria Brasil, com perfurações no pescoço, na tarde do dia 10 de março desse ano.

Segundo informações da Delegacia de Homicídio e Proteção a Pessoa (DHPP), durante as investigações, a polícia prendeu o pintor, alegando que ele é o principal suspeito do crime, por ter trabalhado para a vítima e ter acesso ao imóvel. A polícia ainda contou que a vítima teria emprestado dinheiro ao suspeito e a dívida seria o motivo do crime.

Familiares e amigos do pintor fizeram uma manifestação no bairro onde ocorreu o crime, alegando inocência e pedindo a soltura dele. O advogado Bender Nascimento, disse que a juíza acatou as alegações da defesa e citou que existem “várias lacunas, tanto nas acusações, quanto na percepção criminal”, que inocentam seu cliente.

“A defesa técnica alegou no seu pedido de revogação de prisão preventiva que passou pelo crivo do judiciário. O que vem alegando desde início que vem alegando a defesa técnica, algumas contradições existentes na percepção criminal. O que pesa o grande trabalho feito pela delegacia de homicídio, o meu constituinte ao todo tempo vem negando veementemente a pratica delitiva que ele foi atribuída, o fez com base sobre tudo inexiste motivações para que o mesmo que viesse a ceifar a vida da pobre vítima”. 

Bender continua: “Baseada nisso a defesa técnica constituída por mim, Bender Nascimento, pelas belas Julianas Nogueira e Andreia Sales, levaram ao crivo do poder judiciário alguns elementos dando conta dessas contradições inexistentes da percepção criminal. Feito isso a juíza da comarca do Júri, acolheu e concedeu a liberdade provisória. Agora o processo segue o curso normal, vai ter audiências apresentação de provas, testemunhas. No final ele pode ser condenado ou absorvido, até porque ele está em liberdade provisória e não uma liberdade definitiva. A Definição só irá ocorrer no final do processo”, finalizou o advogado.

A morte da dona de casa 

Ana Rita Borges de Almeida, 59 anos, que residia na rua Doutor João Mangabeira, bairro Serraria Brasil, em Feira de Santana, foi encontrada morta no final da tarde de quarta-feira (10), por volta das 17h50, dentro da residência onde morava.

Segundo informações da polícia, a vítima foi encontrada em uma cama da casa onde morava, com cerca de 20 perfurações provocadas por arma branca, na região do pescoço. 

Ainda de acordo com a polícia, familiares sentiram a falta da vítima desde segunda-feira (08), o filho foi até a casa e encontrou a mãe morta em cima da cama. O que chamou atenção da polícia foi o fato da casa estar toda fechada e sem sinais de arrombamento.


Com informações de Gleidson Santos 

Compartilhe

Deixe seu comentário