Entenda como ocorre a distribuição de vacinas para Feira e região;responsável pela logística explica

Nesta quinta-feira (22), um novo lote de vacinas contra a Covid-19 chegou à Feira de Santana, por volta das 21h30.

Foto: Bárbara Barreto/Bom Dia Feira

Nesta quinta-feira (22), um novo lote de vacinas contra a Covid-19 chegou à Feira de Santana, por volta das 21h30.

A imunização contra a doença na cidade está sendo feita com duas vacinas: a CoronaVac, do Instituto brasileiro Butantan em parceria com a indústria Sinovac, da China, e a americana com a Fiocruz, Oxford, conhecida popularmente como AstraZeneca, ambas ministradas em duas doses.

Ao Bom Dia Feira, o responsável pela logística da vacina contra a Covid-19 em Feira de Santana e região, Vicente Ferreira, detalhou o funcionamento do processo após a chegada das vacinas em Salvador.

'Feira de Santana e região do recôncavo recebem as vacinas, em geral, por helicóptero, à noite, Feira não recebe vacinas porque não temos pista de pouso, mas isso não está acontecendo de forma aérea por causa das chuvas. Quando recebemos a vacina, inicialmente é logo Feira que recebe e vamos distribuindo para as demais', afirma.

De acordo com ele, a equipe atende indiretamente cerca de 72 municípios baianos e diretamente 28 regiões, incluindo Feira. Todo o processo ocorre com a escolta da polícia militar.

'Cada carro oficial sai com caixa térmica com a temperatura adequada e uma técnica vai controlando essa temperatura durante todo o trajeto. Há um protocolo, os carros precisam estacionar sempre de ré, como somos escoltados, a viatura sempre auxilia em casos de parada, não é recomendado paradas, em caso de acidentes, é direcionado que, com o apoio da polícia, o carro siga pelo acostamento', relata.

Em três meses realizando este trabalho, Vicente conta que, a atividade, apesar de realizada com muito cuidado e controle preventivo, enfrenta contratempos.

'Há frequência de alterações do percurso, de horários e dias de recebimento das vacinas, quando a gente receber a informação, por exemplo, de que a vacina vai chegar diretamente em Feira e não em Salvador, caso a gente não esteja pronto no intervalo de tempo necessário, a vacina retorna para a capital, o que gera muitos problemas de logística, burocracia e mais', relata. 

Compartilhe

Deixe seu comentário