'Ministério da Cidadania é braço direito de Bolsonaro e minha missão mais desafiadora', destaca Roma

A declaração foi dada pelo Ministro em entrevista à Rede Baiana de Rádio, nesta quarta-feira (07).

Foto: Divulgação

‘O ministério é o ‘braço direito’ do presidente Jair Bolsonaro e esta é a missão mais desafiadora da minha vida’. A declaração foi dada pelo Ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos), em entrevista à Rede Baiana de Rádio, nesta quarta-feira (07).

'A gente executa aqui, por exemplo, o programa Bolsa Família, que beneficia mais de 14 milhões de famílias em todo o Brasil, é também onde se executa o pagamento do auxílio emergencial que começou ontem a ser paga a primeira parcela da nova rodada do auxílio emergencial. Também desenvolvemos todas as atividades de assistência social através dos CRAS, CREAS, assim como toda a área do antigo Ministério dos Esportes, portanto, é um grande ministério que atua junto aos mais vulneráveis que precisam cada vez mais do auxílio do estado', destacou.

Neste ano, o auxílio emergencial, que foi iniciado nesta segunda-feira (06) e seguirá sendo pago em quatro parcelas até o mês de julho, vai beneficiar cerca de 40 milhões de famílias cadastradas dentro do público alvo do benefício.

'A grande parte das pessoas que receberam o auxílio em dezembro do ano passado, está apta para esta nova fase de 2021', diz. 

Com a alta nos preços dos alimentos e produtos, como o gás natural que vai custar 39% mais caro, o ministro destaca que o auxílio é uma das alternativas que estão sendo pensadas para dar suporte a população. 

'A pandemia é uma crise e desafio global que se coloca em cheque a solidariedade das pessoas, temos que buscar agregar nessa caminhada de muitas formas para tentar passar por essa fase. A alta desencadeia, além de outros fatores, pela alta demanda. O auxílio tem valores expressivos que precisam ser usados com responsabilidade, é um valor importante, o governo está chegando junto e fazendo a sua parte, mas precisamos da cooperação entre os demais órgãos do estado para que a gente consiga minimizar os danos', relata.

Assista a entrevista na íntegra


Compartilhe

Deixe seu comentário