Mulher pega coronavírus pela segunda vez no Japão

Guia de ônibus de turismo, que tem por volta de 40 anos, voltou a fazer o teste na quarta-feira após ter dor de garganta e no peito. Casos semelhantes foram registrados na China.

Foto: Eugene Hoshiko/AP

Uma mulher que trabalha como guia de ônibus de turismo no Japão pegou o novo coronavírus por duas vezes. A informação foi divulgada pelo governo da província de Osaka, no oeste do país, segundo a agência Reuters.

A mulher, que tem por volta de 40 anos, fez o teste pela segunda vez na quarta-feira (26) após ter dor de garganta e no peito.

A primeira vez em que a guia de turismo foi infectada foi no fim de janeiro. Ela ficou internada e recebeu alta do hospital em 1º de fevereiro.

Embora esse seja o primeiro caso conhecido no Japão, infecções reincidentes foram relatadas na China, onde a doença se originou no fim de 2019.

Na quinta-feira (27), o número de casos confirmados no Japão aumentou de 170 para 186. Esses casos registrados pelo Ministério da Saúde japonês estão separados dos 704 registrados no navio cruzeiro Diamond Princess, que ficou em quarentena em Yokohama, uma cidade ao sul de Tóquio.

Um total de sete pessoas morreram no país, incluindo quatro do navio.

Na quarta, Tóquio pediu que grandes encontros e eventos esportivos sejam suspensos ou reduzidos por duas semanas para conter a expansão do vírus.

A expansão do vírus acontece poucos meses antes do início dos jogos olímpicos, que começam em 24 de julho. A ministra japonesa a cargo da Olimpíada tentou apaziguar os temores de que o evento possa ser cancelado.

Dick Pound, membro do Comitê Olímpico Internacional (COI), disse que é mais provável cancelar do que adiar ou transferir os Jogos se a ameaça do vírus forçar uma mudança de calendário, relatou a agência Associated Press, e que uma decisão será necessária até maio.

"O COI está se preparando para os Jogos de Tóquio tal como programado", disse a ministra Seiko Hashimoto no Parlamento ao ser indagada sobre o comentário de Pound. "Continuaremos nossos preparativos para que o COI possa tomar decisões sensatas".

O surto, que começou em Wuhan, na província de Hubei, espalhou-se rapidamente. Desde a primeira morte, um chinês de 61 anos que faleceu em Wuhan no dia 9 de janeiro, mais de 2,7 mil pessoas já morreram em decorrência do novo coronavírus. A grande maioria das mortes ocorreu na China continental. A infecção está presente em pelo menos 42 países, inclusive no Brasil, que confirmou seu primeiro caso nesta quarta-feira (26).


Informações G1

Compartilhe

Deixe seu comentário