Sobe para 32 o número de lotes de cervejas da Backer contaminados, diz Ministério da Agricultura

Análises da pasta apontam 10 rótulos produzidos pela cervejaria com a substância tóxica dietilenoglicol.

Foto: Danilo Girundi/TV Globo

O Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) afirmou neste sábado (18) que detectou mais 11 lotes de cervejas da Backer contaminados com a substância tóxica dietilenoglicol. Segundo o ministério, agora são 32 lotes identificados com a substância.

Dos 32 lotes, 23 são da cerveja Belorizontina, e os outros nove, de rótulos diferentes. As duas novas marcas que foram identificadas contaminações são a Corleone e a Backer Trigo. As análises são realizadas pelos Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária.

Backer D2
Backer Pilsen
Backer Trigo
Brown
Capitão Senra
Capixaba
Corleone
Fargo 46
Pele Vermelha

A empresa disse que já está fazendo o recall determinado pelas autoridades.

O Mapa disse ainda que analisa se mais duas bebida produzidas pela Backer, uísque e gim, estão contaminados com as substância tóxicas dietilenoglicol e monoetilenoglicol. Caso seja encontrada alguma irregularidade, essas bebidas também podem ser recolhidos, segundo o Mapa.

A Backer diz que a água usada na produção do gim Lebbos e do uísque Três Lobos não é a mesma do processo cervejeiro. Segundo a empresa, o acréscimo da água no gim é realizado fora da fábrica, por um fornecedor.

Quanto ao uísque, disponível hoje no mercado, a Backer disse que ele foi engarrafado em julho de 2018, com entrada no barril cinco anos antes.

Monoetilenoglicol e o dietilenoglicol são substâncias parecidas, resultantes de um mesmo processo químico e bastante usados na indústria como anticongelantes. Sua temperatura de ebulição é acima de 190ºC e a de fusão, abaixo de -10ºC.

Eles são usados como arrefecedores de radiadores de carros e também em fluidos hidráulicos e solventes de tintas.

São substâncias de cor clara, viscosa, que não têm cheiro e que têm um gosto adocicado. Embora ambas sejam tóxicas para os seres humanos, o dietilenoglicol é ainda mais nocivo para a saúde humana.

Até agora são 19 casos notificados de intoxicação por dietilenoglicol em Minas Gerais. Quatro pessoas morreram. A Polícia Civil investiga se a contaminação ocorreu após o consumo da cerveja Belorizontina, da Backer. De acordo com o governo de Minas, 15 pessoas estão internadas em estado grave. Das 4 mortes, uma já foi confirmada como intoxicação por dietilenoglicol. As outras 3 ainda são investigadas.

Desde o início das investigações a Backer afirma que usa o monoetilenoglicol como anticongelante, mas nega o uso do dietilenoglicol, substancia mais tóxica.

A polícia informou por meio de nota que o inquérito aberto para investigar a contaminação e a possibilidade de crime segue sob sigilo, mas que tem mais uma peça que será analisada. Trata-se de um vídeo enviado pela Backer que supostamente mostraria a adulteração do monoetilenoglicol comprado pela cervejaria.

“Seria prematuro dar alguma informação com relação ao vídeo nesse momento. As autoridades competentes estão buscando as informações necessárias para apuração da verdade a empresa é a maior interessada em esclarecer o que aconteceu” afirmou o advogado da Backer, Estêvão Nejm.

O material recolhido na distribuidora Imperquímica, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, que vendeu o monoetilenoglicol, também está sendo analisado, segundo a polícia. A distribuidora foi interditada pela vigilância por não ter alvará sanitário nem autorização para fracionar monoetilenoglicol.

“A gente não sabia, tinha imaginado que fracionamento necessitava de alvará, por isso que a vigilância sanitária diz que precisa regularizar na segunda feira para fracionar os produtos”, afirmou o advogado da Imperquímica Mario Saveri.


Informações G1

Compartilhe

Deixe seu comentário