Petistas e bolsonaristas são parecidos e se recusam a perceber a realidade, diz Ciro Gomes

Candidato à presidência da República falou sobre a necessidade de uma nova corrente política e disse que 'ódio' político é capaz de matar o Brasil

Nelson Almeida / AFP

Candidato à Presidência pelo PDT em 2018, Ciro Gomes interpreta como semelhantes as posturas de eleitores identificados com o atual presidente Jair Bolsonaro (PSL) e com apoiadores do PT, partido derrotado na disputa, em outubro, com o então candidato Fernando Haddad (PT). A conversa foi ao ar  no programa Timeline, da Rádio Gaúcha.

O ex-governador do Ceará acrescenta que, na sua avaliação, este é um cenário negativo para o país, onde os apoiadores de cada um dos espectros políticos encontram no adversário um pretexto para justificar eventuais atos ou envolvimentos com irregularidades. Além disso, faz um alerta para a construção de "narrativas imaginárias" criadas por apoiadores do PT e de Jair Bolsonaro.

"Nada mais parecido do que um fanático petista do que um 'bolsonarista' fanático. Eles não compreendem a realidade. Eles se recusam a perceber o real, constroem narrativas imaginárias a serviço da tese mais disparatosa possível e nisso explicam no sustentar um do outro, na linha do 'então Bolsonaro agora pode fazer qualquer coisa porque o Lula também fez'. E eu estou dizendo que esse ódio vai matar o Brasil", avaliou.

Ciro defende a consolidação de uma nova corrente política e enxerga este cenário como uma possibilidade, mas ressalta que será necessário um "esforço" nesse sentido.

Na conversa, que foi ao ar nesta quarta-feira (13), Ciro também voltou a direcionar sua artilharia à cúpula do Partido dos Trabalhadores. Ciro creditou, em parte, a eleição de Bolsonaro ao ódio do eleitor ao PT e disse que deixou o Brasil no segundo turno para não ter que explicar por que não faria campanha para o candidato petista Fernando Haddad (PT).   

Informação Gaúcha ZN

Compartilhe

Deixe seu comentário