Órgãos responsáveis apresentam plano de prevenção a dengue

Joaquim Neto

O Ministério Público da Bahia por meio da Promotoria de Justiça de Feira de Santana, Secretarias Estadual e Municipal de Saúde apresentaram um plano de prevenção e combate a dengue. 

O promotor de Justiça Audo Rodrigues, responsável por convocar uma reunião com os órgãos, comentou que têm "um procedimento instaurado já em situações de anos anteriores em relação ao crescimento que tem tido e a possibilidade que havia de se acontecer em Feira de Santana, como de fato está acontecendo, uma epidemia da dengue".

Segundo ele, essa situação fez com que fosse intensificado um controle junto ao Estado e Município para saber e confirmar se cada um, no âmbitos suas atribuições, estariam tomando as precauções e cumprindo as obrigações necessárias dentro de suas competências. "Nessa reunião foi constatado que ambos foram unânimes em afirmar que vinha trabalhando em conjunto em Feira de Santana desde o ano passado até porque essa epidemia já era esperada. Já vinham sendo feitas ações que não tiveram o reflexo necessário sobretudo talvez por aqueles que seriam um dos responsáveis no controle da doença que é a população", pontou.

A secretária municipal de Saúde, Denise Mascarenhas destaca o trabalho que tem sido feito de enfrentamento ao mosquito Aedes Egypt: "Nós mapeamos e apresentamos Ministério Público um mapa que fizemos sinalizado com todas as ações focais, trabalho dos agentes e fumacê em todos os bairros de Feira de Santana e todos os distritos", afirmou.

Além das ações da dengue, a secretária conta que os distritos estarão recebendo, a partir desse dia 16, uma ação global que envolve todas as secretarias do município, o Estado que é parceiro nas ações, instituições, organizações civis e governamentais, além da imprensa. 

Plano

Denize Mascarenhas considera que a maior estratégia de prevenção e combate é a educação. "A gente trabalhar dentro das nossas residências, evitar casas fechadas; A gente conclama os proprietários que abram suas casas para que os agentes possam fazer seu trabalho. E se tiver qualquer sintoma, buscar a unidade de saúde pública ou privada a depender do acesso, porque em qualquer lugar a pessoa pode ser um agente notificador da informação. A notificação tem que ser feita para que a gente possa ampliar as ações", relatou.

A secretária ressaltou que o Município está trabalhando uma vez que o alerta foi dado desde o dia 07 de janeiro de 2019.

O gestor das arboviroses da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab), Gabriel Murici esclarece quais são os critérios para o uso do fumacê. "Ele é determinado pela situação epidemiológica, existe uma série de critérios técnicos para definir a área que é alvo da aplicação desse equipamento. É importante sinalizar para toda população que o carro fumacê não é a ação mais importante no controle do vetor, é importante também no momento de bloquear a ação do vírus, mas a atividade mais eficaz no controle do mosquito são as ações de rotina realizadas pelos agentes de controle de edemias e pela própria população que tem um papel crucial em evitar água parada e minimizar condições do ambiente que são favoráveis a proliferação desse mosquito conhecido com dengue", disse.

Segundo Gabriel Murici, o Estado tem 11 carros atuando em Feira de Santana, frota considerada suficiente para atender a demanda. Em 2019, a cidade vive uma epidemia de importante magnitude quando comparado com o mesmo período do ano anterior. "Uma epidemia é determinada por uma série de fatores sendo o principal deles a presença do mosquito. Então controlar esse mosquito é a principal forma de evitar surtos e epidemias", constata.

Além da presença, fatores como o tipo do mosquito que está circulando, uma vez que existem 04 sorotipos de vírus e a suscetibilidade da população. "A circulação dinâmica desse vírus é muito bem conhecida, ela é multi determinada mas bem conhecida. Se sabe que a cada 03 a 05 anos esse vírus provoca cenários epidêmicos, então, como 2017 e 2018 foram anos de poucas notificações, menores do que a média, já existia sinalizações que o ano de 2019 poderia ser epidêmico e isso vem se confirmando a nível de Brasil, alguns municípios da Bahia, inclusive Feira de Santana que enfrenta uma epidemia de importante magnitude que nesse momento tem vias de controle devido a ações coordenados pelas secretarias do Estado e Município", relatou.

Segundo o gestor de arboviroses, todo ano, períodos de sazonalidade de maior risco da ocorrência de dengue e chikungunya, período definido por questões climáticas e pela biologia do vetor, já é esperado nesse período um aumento em número de casos, assim, o Estado desde outubro do ano passado vem realizando uma série de ações para prevenção dos casos"

Até hoje foram notificados 2512 casos de dengue em Feira de Santana, sendo 705 confirmados. O município registra ainda três mortes decorrentes da doença.

Informações de Joaquim Neto

Compartilhe

Deixe seu comentário