Veja os carros que saíram de linha e os lançamentos mais importantes do ano

Palio sai de linha após 22 anos, enquanto Ford e Chevrolet anunciam cortes de produtos no exterior.

Marcelo Brandt e Celso Tavares/G1 e Divulgação

A indústria automotiva mundial viveu um ano de 2018 movimentado não apenas pelos “poderosos chefões”, mas também por renovações de carros icônicos, chegada de veículos elétricos inéditos e despedidas de modelos consagrados.

Enquanto no exterior a Toyota apresentou a geração mais ousada do Corolla em mais de 5 décadas, BMW e Porsche renovaram seus principais produtos, Série 3 e 911, respectivamente. No Brasil, 2018 foi um ano de movimentações no segmento de veículos compactos, com lançamentos importantes de Volkswagen, Fiat e Toyota.

Na mesma medida, uma série de outros modelos deram adeus ao mercado brasileiro, como o ex-líder de vendas, Fiat Palio. Na América do Norte, a General Motors, dona da Chevrolet, anunciou o fim da linha para uma série de modelos, incluindo os sedãs Impala e Cruze (que continua a ser vendido no Brasil) e o elétrico Volt.

Veja abaixo as principais movimentações da indústria em 2018:

Quem chegou

Novos SUVs elétricos 

SUVs e elétricos são duas das mais fortes tendências entre os veículos para os próximos anos. Ao longo de 2018, Jaguar, Mercedes-Benz e Audi transformaram seus projetos em realidade. Os britânicos saíram na frente, mostrando o I-Pace em março. O G1 já avaliou o modelo em Portugal.

Em setembro, com um intervalo de dias, Mercedes-Benz e Audi apresentaram seus SUV elétricos, EQC e E-tron, nesta ordem.

Elétricos no Brasil

Com certo atraso, o Brasil parece aderir à onda dos elétricos. Durante o Salão do Automóvel, em novembro passado, três fabricantes lançaram modelos movidos a energia elétrica. Apesar de as vendas começarem apenas no ano que vem, os veículos tiveram os preços revelados no evento.

A Chevrolet anunciou o Bolt por R$ 175 mil. Já a Nissan reafirmou a venda do Leaf, por R$ 178.400. Em um patamar abaixo, a Renault apresentou o Zoe, que será comercializado por R$ 149.990. Aproveitando a onda, a Jac Motors, que não participou do Salão, afirmou que irá vender, também em 2019, uma versão elétrica do T40, chamada de E40. Por R$ 129.990, promete ser o elétrico mais acessível do país.


Clássicos renovados

Toyota Corolla, Porsche 911 e BMW Série 3 carregam décadas de tradição, além da responsabilidade de serem os produtos mais conhecidos das marcas. Em 2018, o trio foi renovado.

A Porsche deu ao 911 um ar futurista, com lanternas que reproduzem um efeito 3D. Ainda assim, faróis redondos e a silhueta característica reforçam os traços mais marcantes do esportivo feito em Stuttgart. Na parte técnica, o 911 Carrera ficou mais potente do que nunca, com 450 cavalos.

Já a BMW mexeu profundamente no Série 3. O sedã ficou maior e mais tecnológico, com direito a uma assistente pessoal com inteligência artificial. Por outro lado, a distribuição de peso clássica de 50% em cada eixo foi mantida, assim como a tração traseira.


A Toyota, que costuma ser conservadora, ousou mais do que nunca na nova geração do Corolla – a 12ª. Além do desenho totalmente renovado, a maior novidade é a inédita versão híbrida, que será oferecida em 90 países – o Brasil está nesta lista, e deve produzir o sedã a partir do final do ano que vem na fábrica de Indaiatuba, que recebe R$ 1 bilhão em investimentos de modernização.

Compactos

Volkswagen, Fiat e Toyota agitaram o mercado nacional com novos compactos.

Em janeiro, a Volkswagen lançou o Virtus, ou a versão sedã do Polo. No mesmo segmento de Chevrolet Cobalt e Honda City, o modelo se consolidou como o líder da categorias dos sedãs compactos, segundo dados da Fenabrave.

Sem perder tempo, no mês seguinte, a Fiat deu a resposta, com a chegada do Cronos, da mesma família do Argo (veja as impressões). Menor do que o Virtus, o Cronos acabou posicionado em outra categoria, de sedãs pequenos, onde a concorrência é maior. Ele deve encerrar 2018 como o 5º colocado no segmento.

A Toyota fez sua grande investida no segmento na metade do ano, em junho. De uma só vez, apresentou as versões hatch e sedã do Yaris. O modelo foi lançado para preencher a lacuna entre o Etios e o Corolla.

O Mustang

Depois de "flertar" com o Brasil várias vezes, o esportivo mais famoso da Ford finalmente começou a ser vendido no Brasil, apostando em um pacote de equipamentos recheado e preço mais baixo do que o grande rival, Chevrolet Camaro.

Ainda assim, desde o lançamento, em março, até dezembro, o Mustang ficou R$ 15 mil mais caro.


Quem se despede

FCA 'faz a limpa'

Se foram muitos os lançamentos, houve despedidas de carros relevantes. No Brasil, a Fiat Chrysler fez mudanças profundas. Com a chegada do Argo, no ano passado, a Fiat já havia encerrado a produção de Punto e Bravo.

Em 2018, um de seus modelos mais famosos, o Palio, saiu de linha depois de 22 anos e mais de 3 milhões de unidades. O Palio chegou a ser o carro mais vendido do Brasil em 2014, mas foi perdendo espaço para os rivais mais modernos.

A Fiat também tirou de linha o subcompacto 500. A fabricante até importou um pequeno lote do México, mas o modelo acabou descontinuado. A marca Chrysler também parou de vender veículos novos no Brasil. A gama da empresa era formada pela van Town & Country e pelo sedã de luxo 300C.

Outras despedidas

Ainda no Brasil, a Renault anunciou no final do ano passado que o sedã médio Fluence deixaria de ser vendido. As últimas unidades do estoque foram emplacadas nos primeiros meses do ano, totalizando menos de 700 veículos até novembro. O líder, Corolla, vendeu mais de 50 mil exemplares no mesmo período.

A Kia até chegou a apresentar o Picanto com visual atualizado no início de 2018. Custava pouco menos de R$ 60 mil, e trazia motor 1.0 e câmbio automático. Foram emplacadas cerca de 100 unidades. Depois disso, com o câmbio desfavorável, a fabricante coreana deixou de importar o modelo, que segue fora de linha.

O câmbio desfavorável, a defasagem dos produtos e a alta procura por SUVs fizeram com que a Jac Motors deixasse de vender boa parte dos modelos lançados juntos com a marca no país, há sete anos. Deixaram de ser oferecidos J2, J3, J5 e J6.

Mudanças de estratégia

No exterior, algumas fabricantes anunciaram uma mudança na estratégia de produtos. A Ford, por exemplo, prometeu que sua linha nos Estados Unidos será composta em 90% por picapes e SUVs. Com isso, carros como Fiesta e Fusion devem sair de linha nos próximos anos.

Já a General Motors, ao anunciar o fechamento de fábricas nos Estados Unidos, "matou" 8 carros das marcas Chevrolet, Cadillac e Buick. Estão na lista modelos conhecidos dos brasileiros, como o elétrico Volt, o sedã de luxo Impala e o sedã Cruze (que segue em linha no Brasil, importado da Argentina).

Adeus ao Fusca

A Volkswagen anunciou uma nova "morte" para o Fusca. A releitura do clássico, lançada em 1997, e renovada em 2011, deixará de ser produzida novamente. O modelo, que não era mais um veículo popular, já havia deixado de ser vendido no Brasil.

Nos Estados Unidos, a Volkswagen lançou uma edição especial de despedida.

Informações do G1

Compartilhe

Deixe seu comentário