Delegado diz que suástica marcada com canivete em mulher é símbolo de harmonia

Jovem diz ter sido agredida por três homens por usar camisa com a frase 'Ele não'

Reprodução

A imagem de uma mulher com um desenho riscado em sua pele foi bastante compartilhada em grupos de Whatsapp, Facebook e no Twitter nesta quarta-feira. Trata-se de uma moradora de Porto Alegre que disse ter sido abordada e agredida por três homens por causa de uma camiseta com a frase "Ele não" que ela usava - a referência é ao movimento de mulheres contra o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL).

De acordo com a garota, que não teve seu nome revelado por questões de segurança, o grupo a atingiu com socos e usou um canivete para desenhar uma suástica em sua barriga.

O delegado titular da 1ª Delegacia de Porto Alegre, Paulo Jardim, diz que os autores da agressão ainda não foram identificados e o desenho não é um símbolo extremista que simboliza o nazismo. "Eu fui olhar o desenho que fizeram na barriga dela. É um símbolo budista, de harmonia, de amor, de paz e de fraternidade. Se tu fores pesquisar no Google, tu vai ver que existe um símbolo budista ali. Essa é a informação", afirmou em entrevista à BBC News Brasil.

Responsável pelas investigações do caso, Jardim afirmou que a menina relatou ter sido agredida no início da noite de segunda-feira por três rapazes após descer de um ônibus. "O termo que ela usou foi que riscaram a barriga dela com um canivete e agrediram ela com socos. Ela estava usando uma camisa do 'Ele não'", resumiu o delegado.

Informações da BBC News Brasil em São Paulo

Compartilhe

Deixe seu comentário