Com intervenção, presos permanecem retidos no complexo de delegacias do Sobradinho

Segundo o delegado Roberto Leal, o local “não tem como oferecer banho de sol, atendimento ambulatório e outros serviços essenciais”.

Foto: Polícia Civil

Interditado por superlotação desde o mês passado, o Presídio de Feira de Santana está proibido de receber novos detentos. O local teve a sua capacidade excedida. Enquanto isso, o Complexo de Delegacias do Sobradinho busca uma maneira de manter os presos em celas do complexo. O delegado Roberto Leal, responsável pelo local, diz que os custodiados estão sem condições de infraestrutura necessária.

A decisão emitida pelo Ministério Público (MP), sob intervenção da Ordem dos Advogados Brasileiros (OAB), proíbe o presídio de receber novos detentos. O delegado Roberto Leal reforça que as delegacias não podem ficar com pessoas detidas por muito tempo. A explicação é que a Polícia Civil não possui estrutura para custódia de mais de 20 presos, o que é de competência do Sistema Penitenciário. Segundo Leal, o local “não tem como oferecer banho de sol, atendimento ambulatório e outros serviços essenciais”.

“Espero que os órgãos envolvidos busquem uma saída mais rápido para solucionar este problema. Não podemos fornecer visitas íntimas, familiares, entre outras. Além de comprometer a equipe de polícia em função dos presos. Se a situação se perdurar por muito tempo, os custodiados estarão em risco”, lamentou Leal.

As cinco celas devem abrigar no máximo quatro pessoas por vez. Nesse momento, são mais de sete homens em cada uma.

Informações do repórter Jota Bezerra

 

Compartilhe

Deixe seu comentário