Como saber se eu estou com depressão? Confira se você tem esses 14 sintomas muito comuns

odavia, a maioria dos depressivos não sabe que tem o problema e também há outra parte da população que confunde o mal com ansiedade e tristeza.

Reprodução

Identificar os sinais de depressão é o primeiro passo para se livrar da doença, que atinge cerca de 350 milhões de pessoas no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Incapacitante, o distúrbio atrapalha atividades rotineiras e ainda coloca a vida em risco. "Depressão é a maior causa de suicídio. Doze mil pessoas se matam por ano no Brasil, ou seja, 33 por dia. É um número muito alto e que deve ser encarado com atenção", ressalta o presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), Antônio Geraldo da Silva.


Apesar de ter causas genéticas, a doença é desencadeada por situações que afetam o emocional, como o parto ou a perda de um emprego. Todavia, a maioria dos depressivos não sabe que tem o problema e também há outra parte da população que confunde o mal com ansiedade e tristeza.

Sintomas de depressão

De acordo o Dr. Antônio Geraldo da Silva, os primeiros sintomas da depressão são silenciosos e discretos. Com o passar do tempo, os episódios se intensificam, assim como os sinais. Confira os principais:

1 - Tristeza

2 - Falta de prazer

3 - Desesperança

4 - Diminuição da libido

5 - Apatia e cansaço

6 - Falta de vontade

7 - Incapacidade de trabalhar

8 - Dores que não respondem a tratamentos

9 - Alterações do sono (sonolência excessiva ou dificuldade para dormir)

10 - Alterações do apetite (comer pouco ou demais)

11 - Falta de concentração

12 - Perda de memória

13 - Ansiedade

14 - Delírio

15 - Diagnóstico

Não há nenhum teste para depressão que consiga diagnosticar a doença corretamente, sendo o mais indicado se submeter à consulta com psiquiatra. "Esta é a melhor maneira de alguém saber se está com depressão. Muitos pacientes têm preconceito com a psiquiatria e acabam procurando psicólogos ou neurologistas para tratar o problema. Porém, só este especialista poderá atestar de maneira certeira o quadro e indicar o tratamento mais adequado", ressalta o presidente da ABP.

Também é necessário realizar exames para descartar a possibilidade de doenças que se confundem com a depressão por apresentarem sintomas semelhantes, como o hipotireoidismo, além de outros transtornos psicológicos.

Outro ponto importante é que, sempre que possível, familiares devem participar das consultas com o depressivo a fim de entender sua situação e fornecer o apoio necessário para que o tratamento tenha sucesso.

Depressão e ansiedade

A ansiedade é um sintoma presente na depressão, o que pode confundir pessoas leigas quanto ao diagnóstico. "A diferença está nos sinais. O transtorno de ansiedade não tem o aspecto da tristeza, falta de vontade e prazer, diferente da depressão", explica Antônio Geraldo da Silva.

Tenho depressão, e agora?

Após a doença ser atestada, é recomendado tomar antidepressivos e fazer psicoterapia. "Diferente do que grande parte das pessoas pensa, os medicamentos antidepressivos não viciam. Alguns realmente acarretam efeitos colaterais, como insônia ou sonolência, mas mesmo assim são a melhor alternativa para amenizar o problema", explica o Dr. Antônio Geraldo da Silva.


Um tratamento complementar eficaz é a prática de atividades físicas contra depressão, visto que ele faz com que o organismo libere substâncias que relaxam o sistema nervoso e dão prazer.


Compartilhe

Deixe seu comentário