Barcelona oferece R$ 625 mi para tirar Philippe Coutinho do Liverpool

Se concretizada, a transferência fará de Coutinho o segundo jogador mais caro da história do futebol

Foto: Reprodução

O Barcelona apresentou proposta de 160 milhões de euros (R$ 625 milhões) para comprar Philippe Coutinho do Liverpool.

A intenção da equipe espanhola é fechar negócio até o início da próxima semana e apresentá-lo em seguida à torcida no estádio Camp Nou.

Segundo uma pessoa envolvida nas negociações, ouvida pela Folha, Coutinho, meia da seleção brasileira, disse à diretoria do Liverpool e ao técnico alemão Jurgen Klopp que deseja trocar de equipe e pediu que sua situação seja compreendida.

Antes disso, ele conversou com colegas de seleção sobre a possível mudança e foi encorajado. Um dos que disseram para ir adiante na transferência foi Neymar, ex-Barcelona e hoje no Paris Saint-Germain.

A janela de transferências internacionais iniciou em 1º de janeiro e se encerra no próximo dia 31.

Em agosto do ano passado, o Barcelona havia apresentado três ofertas para contratar o brasileiro. Todas foram recusadas pelo Liverpool. O clube inglês chegou a divulgar um comunicado oficial dizendo que Coutinho não estava à venda. Apesar de contrariado, o armador não viu outra solução que não fosse continuar no Reino Unido.

Se concretizada, a transferência fará de Coutinho o segundo jogador mais caro da história do futebol, ficando atrás apenas dos 222 milhões de euros (R$ 867,5 milhões em valores atuais) que o PSG pagou ao Barcelona em 2017 para comprar Neymar.

Coutinho já teve contato com o técnico do time espanhol, Ernesto Valverde, e ouviu explicação sobre a posição que se encaixaria na equipe titular.

De acordo com a imprensa espanhola, representantes de Coutinho procuram casa para o brasileiro em Barcelona. Em 31 de dezembro, a Nike, patrocinadora do time catalão, publicou imagem da camisa que Coutinho usaria no Camp Nou. O post das redes sociais foi apagado minutos depois, mas irritou muito diretores do Liverpool. Com informações da Folhapress.

Comentários