Bom Dia Agora por Dilson Barbosa

Curta nossa página no Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Instagram
Dólar R$ 3,173
Euro R$ 3,742
17 de outubro de 2017
TODAS AS NOTÍCIAS ›

Gerais
Celular explode debaixo de travesseiro e estudante de medicina tem queimaduras de 2º grau

03/09/17 às 08:03
Acidente foi enquanto Frederico Luiz dormia. Ele teve queimaduras no braço e no ombro e foi levado para o hospital: 'Só vi o clarão'.
Aumentar Fonte Diminuir Fonte
Celular explode debaixo de travesseiro e estudante de medicina tem queimaduras de 2º grau
O estudante de medicina Frederico Luiz Quixabeira Camargo, de 22 anos, sofreu queimaduras de segundo grau após o celular dele explodir debaixo do travesseiro enquanto dormia. Os ferimentos foram no braço e no ombro. Parte do colchão pegou fogo. "Só não queimou meu rosto graças ao travesseiro". O acidente foi na madrugada deste sábado (2), em Palma

Frederico relembra a situação e conta que acordou com o susto. "Acordei como se fosse um pesadelo. Só vi o clarão e ouvi o barulho. Meus irmãos acharam que tivesse sido um tiro. Começou a pegar fogo no meu colchão e o celular ficou destruído tanto que a bateria afundou para dentro do colchão", conta.

O jovem reconhece que esse foi o maior susto. "Durmo com o celular por causa do despertador. Esse aparelho não foi feito para ficar explodindo assim", lamenta.
O estudante foi levado para um hospital particular . O médico Lamartine De Paula Guimarães, que atendeu a vítima, disse que também ficou assustado, já que esses casos são incomuns. "Ele chegou com lesões e disse que o celular estava carregando no momento do acidente. Se fosse uma pessoa mais velha ou com problemas no coração poderia ter sido pior. Ele também poderia ter tido queimaduras mais graves e se fosse no rosto poderia atingir o olho e comprometer a visão", explica.

G1 entrou em contato com o Corpo de Bombeiros, que falou sobre o perigo de carregar baterias de eletroeletrônicos próximo do corpo. "O ideal é recarregar esses tipos de aparelhos com a bateria desligada por causa do aquecimento. Se tivesse queimado mais o colchão o fogo poderia ficar incontrolável e atingir a casa dele", diz a tenente Ollyana Manzi.

G1

Comentários

Leia Mais

TVAgora

TEMPO DE CUIDAR - União Médica

mais vídeos ›