Bom Dia Agora por Dilson Barbosa

Curta nossa página no Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Instagram
Dólar R$ 3,181
Euro R$ 3,742
22 de agosto de 2017
TODAS AS NOTÍCIAS ›

Feira de Santana
Com atrofia nas pernas e sem dinheiro para cadeira de rodas, criança usa skate para se locomover

12/08/17 às 07:04
A mãe de Welen dos Santos Oliveira relata que a criança já nasceu com a deficiência.
Aumentar Fonte Diminuir Fonte
Com atrofia nas pernas e sem dinheiro para cadeira de rodas, criança usa skate para se locomover
Foto: Reprodução | TV SUBAÉ
Com problema nas pernas, uma menina de 8 anos de Feira de Santana, usa um skate para se locomover. Essa foi a alternativa que familiares e amigos encontraram para driblar a falta de recursos para comprar uma cadeira de rodas.

Welen dos Santos Oliveira nasceu com uma atrofia nas pernas e por isso não consegue andar. "Eu fiz o pré-natal certinho, tudo isso, só que no dia que eu fui fazer o parto, que eu tive o parto cesárea porque eu sou diabética, ela nasceu com essa deficiência. No momento eu fiquei muito assustada, chorei bastante", conta a mãe da garota, Adenisa Teixeira dos Santos.

Com dificuldade de locomoção, a garota começou a usar o skate. "Eu rodo tudo, né [sic]. Eu brinco com minhas amigas, faço tudo, brinco com meu irmão, né [sic]. Eu rodo aqui tudo. Eu vou para a casa da minha tia, levo pra casa da minha avó também", conta Welen.

A família sabe que o ideal seria comprar uma cadeira de rodas, mas o problema é que a mãe dela ganha menos de um salário mínimo e tem muitos custos para manter os dois filhos. "Eu pago transporte escolar, a escolinha, pago uma pessoa para ficar com ela, mas o que eu mais gasto é fralda, porque ela usa fralda descartável ainda", relata Adenise.

Além do esforço, a mãe da garota tem contado com a ajuda de vizinhos e da família, tanto que a ideia do skate partiu justamente de um grupo de amigos. Apesar das dificuldades, Adenise relata que a deficiência da filha só faz com que o amor cresça.

"Tenho muito amor por ela. Eu acho que se ela fosse 'normal', eu não teria tanto amor por ela como eu tenho por ela ser deficiente", diz Adenise. "Eu sinto que ela ama eu [sic] no coração. E minha avó também. Toda a minha família", conta Welen.

G1 Bahia

Tempero do Baiano

Comentários

Leia Mais

TVAgora

Feira do Livro 10 anos: José Carlos Barreto

mais vídeos ›