Bom Dia Agora por Dilson Barbosa

Curta nossa página no Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Instagram
Dólar R$ 3,181
Euro R$ 3,742
22 de agosto de 2017
TODAS AS NOTÍCIAS ›

Feira de Santana
Após habeas corpus, 6 presos deixam presídio de Feira de Santana para saída temporária

11/08/17 às 07:13
Justiça havia proibido que internos saíssem do presídio sem tornozeleiras. Outros 94 presos estão impedidos de deixar o local.
Aumentar Fonte Diminuir Fonte
Após habeas corpus, 6 presos deixam presídio de Feira de Santana para saída temporária
Conjunto Penal de Feira de Santana, (Foto: Almir Melo / TV Subaé)
Seis presos do Conjunto Penal de Feira de Santana, cidade a cerca de 100 km de Salvador, deixaram o presídio para a saída temporária do Dia dos Pais, na quarta-feira (9). Os detentos foram liberados após concessão de habeas corpus, mesmo com determinação da Justiça de que não deixassem a unidade sem monitoramento eletrônico. Outros 94 presos, que também tiveram direito ao benefício neste ano, aguardam liberação para deixar o presídio. A informação foi passada pelo diretor da unidade, e capitão da Polícia Militar, Allan Araújo, nesta quinta-feira (10).

Este é o segundo ano seguido que a Justiça impede que os detentos deixem o conjunto penal na saída temporária de Dia dos Pais, por falta de tornozeleiras eletrônicas. A decisão é do juiz Valdir Viana Ribeiro Junior, titular da Vara de Execuções Penais de Feira de Santana, que diz que os internos com direito ao benefício devem ser monitorados 24 horas por dia para que saiam do presídio para ver a família. Segundo o juiz, a determinação do acompanhamento com tornozeleira foi estabelecida no ano passado e o governo teve até 31 de maio para comprar equipamentos, o que não ocorreu.

Em nota, a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap) disse que a Bahia ainda não tem as tornozeleiras, mas que 300 unidades do equipamento devem ser entregues até o fim do mês. Esse é o prazo final que a empresa vencedora da licitação tem para passar os equipamentos. Sobre a decisão do juiz que pediu tornozeleiras, a secretaria afirmou que o equipamento deve ser destinado aos detentos que cumprem regime de prisão domiciliar e não nesses casos de saída temporária.

De acordo com a Seap, a central de monitoramento que vai acompanhar os presos com tornozeleira eletrônica vai funcionar no prédio da Secretaria da Segurança Pública (SSP-BA), no Centro Administrativo da Bahia (CAB) e os profissionais que vão trabalhar nessa função estão sendo treinados. A Seap também disse que uma outra licitação já está em andamento para a compra de mais 3.200 tornozeleiras eletrônicas.

Conforme o diretor do Conjunto Penal de Feira de Santana, a saída temporária do Dia dos Pais começou na quarta-feira e vai até o dia 15 de agosto, na semana que vem. Os presos que sairam com o habeas corpus, na quarta, devem retornar até a data. Os que não voltarem são considerados foragidos. Os advogados dos presos que ainda não conseguiram deixar o conjunto penal ficaram de recorrer da decisão, mas, até esta quinta-feira, segundo o diretor, nenhuma nova saída havia sido autorizada pela Justiça. O policiamento foi reforçado no conjunto penal.

O Conjunto Penal de Feira de Santana abriga 1.900 presos, entre homens e mulheres, mas a capacidade é de 1.356. No entanto, a unidade está com 3 pavilhões desativados, o que torna a capacidade de 1.104 internos.

Suspensão em 2016

No ano passado, a Justiça já havia suspendido a saída do Dia dos Pais para presos do Conjunto Penal de Feira de Santana. Na ocasião, cerca de 25 internos não tiveram direito de sair da unidade prisional na data comemorativa, por falta da disponibilidade do serviço de monitoramento eletrônico. A decisão foi também do juiz Valdir Viana Ribeiro Júnior.

Mesmo assim, cerca de 95 internos da unidade prisional tiveram direito ao benefício, pois solicitaram a saída temporária antes do magistrado assumir a unidade judiciária que julga a concessão do benefício. A solicitação foi avaliada por outro juiz e, por isso, não foi exigida a monitoração.

Para ter direito à saída temporária, o preso precisa estar respondendo processo em regime semi-aberto e ter bom comportamento. De acordo com Ribeiro Júnior, a exigência do monitoramento dos presos para a concessão da saída temporária consta na Lei de Execução Penal 7210/84, alterada em 2010, e todas as unidades prisionais do Brasil devem cumprí-la. Para o juiz, a importância da monitoração está na diminuição do número de presos que não retornam aos presídios e na reicindência de crimes.

Tornozeleiras

A inexistência de tornozeleiras eletrônicas no âmbito do governo estadual faz 
com que a Bahia não tenha, atualmente, nenhum preso monitorado pelo equipamento. Segundo informações do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), os magistrados têm decidido sobre a liberação de presos sem vincular à existência das tornozeleras, já que elas não estão disponíveis no estado. Portanto, conforme o órgão, também não há presos à espera do equipamento.

As tornozeleiras são opção da Justiça, normalmente, para que presos cumpram regime domiciliar e continuem sendo monitorados. Os equipamentos funcionam com um módulo GPS, como em carros, no qual são instalados um modem de celular, para transmissão de dados, com dois cartões de operadoras diferentes a fim de se evitar ausência de sinal. Em todo o país, pelo menos, 24.203 presos são monitorados por meio dos equipamentos.

De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização do Estado da Bahia (Seap), foram feitas duas licitações para aquisição do serviço de monitoramento eletrônico de pessoas, por meio de aluguel de tornozeleiras. O custo unitário mensal da locação de cada tornozeleira é de R$ 250,83.

A primeira licitação prevê a aquisição de 300 tornozeleiras com recursos federal e estadual. A concorrência está em fase final de homologação e a Seap prevê a chegada do equipamento ainda nesse mês de agosto. Essa primeira remessa terá contrato de 12 meses.

Já a segunda licitação dispõe sobre a obtenção de 3.200 tornozeleiras com recurso próprio do governo estadual. A Seap diz que ainda não é possível estipular o prazo, devido aos trâmites legais do processo licitatório. A segunda remessa será contratada com as mesmas condições da primeira.

A secretaria afirma ainda que todas as tornozeleiras eletrônicas são alugadas, pois não foram encontradas empresas que vendam o equipamento e o serviço de monitoramento de forma casada.

G1 Bahia

Tempero do Baiano

Comentários

Leia Mais

TVAgora

Feira do Livro 10 anos: José Carlos Barreto

mais vídeos ›