Bom Dia Agora por Dilson Barbosa

Curta nossa página no Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Instagram
Dólar R$ 3,266
Euro R$ 3,653
23 de maio de 2017
TODAS AS NOTÍCIAS ›

Bahia
Encontrado corpo de garota suspeita de envolvimento com jogo da 'Baleia Azul'

20/04/17 às 19:59
O corpo foi achado na região do Porto do Jatobá em Petrolina, no Sertão de Pernambuco.
Aumentar Fonte Diminuir Fonte
Encontrado corpo de garota  suspeita de envolvimento com jogo da 'Baleia Azul'

Pescadores encontraram no início da tarde desta quinta-feira (20) o corpo de uma adolescente no Rio São Francisco, na região do Porto do Jatobá em Petrolina, no Sertão de Pernambuco. De acordo com a Polícia Civil (PC), a garota é Ana Vitória Sena de Oliveira, de 15 anos, que desapareceu na última segunda-feira (17), na cidade vizinha de Juazeiro, na Bahia. A família suspeita que o sumiço tenha relação com o jogo da “Baleia Azul”.

A delegada Adelina Raujo confirmou que o corpo pertence a Ana Vitória e que a garota apresentava vários cortes nos braços e na região dos pulsos. Ela vestia short jeans e camisa preta.

Adolescente havia deixado uma carta de despedida que avisava aos familiares que pularia da Ponte Presidente Dutra, que liga a cidade pernambucana de Petrolina a Juazeiro, na Bahia . “Ela deixou uma carta, pedindo dizendo desculpa e disse que iria pular da ponte que liga Juazeiro a Petrolina. Nós mexemos no celular dela e achamos no WhatsApp as mensagens do jogo da Baleia Azul”, relatou  a irmã da garota, Maria Daniela Sena.


Ana Vitória Sena de Oliveira morava junto com a irmã Maria, um irmão e a mãe, no Residencial Itaberaba 2, em Juazeiro, na Bahia. Segundo a família, a garota ficava horas na internet, e ultimamente estava de mau humor. "Eu aconselhava ela sempre, a família aconselhava. Em um momento ela ouvia, mas virava as costas e voltava a ser o que era novamente”, diz o padrasto-avô de Ana, Cosme dos Santos.

A menina ainda deixou em casa o aparelho celular, onde foram encontradas no aplicativo Whats App mensagens sobre o jogo da baleia azul. A foto do perfil da adolescente nas redes sociais foi alterada por uma imagem de luto após o desaparecimento.


Especialistas que dão dicas de como lidar com o tema:

1. Fique atento à mudança de comportamento

Uma mudança brusca de comportamento pode ser sinal de que a criança ou o adolescente esteja sofrendo com algo que não saiba lidar, segundo Elizabeth dos Reis Sanada, doutora em psicologia escolar e docente no Instituto Singularidades.

“Isolamento, mudança no apetite, o fato de o adolescente passar muito tempo fechado no quarto ou usar roupas para se esquivar de mostrar o corpo são pistas de que sofre algo que não consegue falar”, diz.

2. Compartilhe projetos de vida

Para entender se a criança ou adolescente está com problemas é fundamental que os pais se interessem por sua rotina. Elizabeth reforça que este deve ser um desejo genuíno, e não momentâneo por conta da repercussão do “Jogo da Baleia”.

“Os pais devem conhecer a rotina dos filhos, entender o que fazem, conhecer os amigos”, afirma a Elizabeth. Ela lembra que muitos adolescentes “falam” abertamente sobre a falta de motivação de viver nas redes sociais. Aos pais cabe incentivar que os filhos tenham projetos para o futuro, tracem metas como uma viagem, por exemplo, e até algo mais simples, como definir a programação do fim de semana.

3. Abra espaço para diálogo

Filhos devem se sentir acolhidos no âmbito familiar, por isso, Elizabeth reforça que é necessário que os pais revertam suas expectativas em relação a eles. “É preciso que o adolescente se sinta à vontade para falar de suas frustações e se sinta apoiado. Se ele tiver um espaço para dividir suas angústias e for escutado, tem um fator de proteção”, afirma Elizabeth.

Angela Bley, psicóloga coordenadora do instituto de psicologia do Hospital Pequeno Príncipe, diz que o adolescente com autoestima baixa, sem vínculo familiar fortalecido é mais vulnerável a cair neste tipo de armadilha. “O que tem diálogo em casa, não é criticado o tempo todo, tem autoestima melhor, tem risco menor. Deixe que ele fale sobre o jogo, o que sente, é um momento de diálogo entre a família.”

Angela reforça que muitas vezes o adolescente não tem capacidade de discernir sobre todo o conteúdo ao qual é exposto. “Por isso é importante o diálogo franco. Não pode fingir que esse tipo de coisa não existe porque ele sabe que existe.”

4. Adolescentes devem buscar aliados

O adolescente precisa buscar as pessoas em que confia para compartilhar seus anseios, seja no ambiente escolar ou familiar, segundo as especialistas. “Que ele não ceda às ameaças de quem já está em contato com o jogo e entenda que quem está a frente deles são manipuladores”, diz Elizabeth.

5. Escolas podem criar iniciativas pela vida

Assim como a família, as escolas podem ajudar a identificar situações de risco entre os alunos. “Não é qualquer criança que vai responder ao chamado de um jogo como esse, são os que têm situações de vulnerabilidade. A escola ajuda a construir laços e tem papel fundamental de perceber como os alunos se desenvolvem”, afirma Elizabeth.

Alguns colégios, já cientes da viralização do jogo, começaram a pensar em alternativas para aumentar a conscientização sobre a importância de cuidade da vida. No Colégio Fecap, que fica na Região Central de São Paulo, essa ideia virou projeto escolar: a turma de alunos do ensino médio técnico de programação de jogos digitais começou a criar uma espécie de “contra-jogo” da Baleia Azul. “O jogo ainda está sendo produzido pelos alunos. Eles estão se reunindo e debatendo a questão. Serão 15 desafios de como desfrutar melhor da vida e celebrá-la”, conta o professor Marcelo Krokoscz, diretor do colégio.

Durante o curso, os estudantes aprender a aplicar linguagens de programação para criar jogos para computadores, videogame, internet e celulares, trabalhando desde a formação de personagens, roteiros e cenários até a programação do jogo em si. Segundo Krokoscz, a ideia é que o jogo, ainda sem prazo de lançamento, esteja disponível on-line para o público em geral.

Ele afirma que o objetivo é a ajudar os jovens a verem o lado bom da vida. “Impacta mais fortemente nossos alunos a partir do momento que eles mesmos criam um jogo a favor da vida.”


Com informações do G1

Comentários

Leia Mais

TVAgora

Susto! Leão-marinho puxa criança para dentro da água

mais vídeos ›