Bom Dia Agora por Dilson Barbosa

Curta nossa página no Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Instagram
Dólar R$ 3,146
Euro R$ 3,703
16 de agosto de 2017
TODAS AS NOTÍCIAS ›

Brasil
Governo tenta minimizar efeitos da carta enviada pelo papa Francisco

19/04/17 às 18:39
Para o Palácio do Planalto, recusa do chefe da Igreja Católica em vir ao Brasil não representa um sinal de desaprovação à gestão Temer
Aumentar Fonte Diminuir Fonte
Governo tenta minimizar efeitos da carta enviada pelo papa Francisco

A recusa do papa Francisco em vir ao Brasil foi minimizada pelo Palácio do Planalto nesta quarta-feira (19). De acordo com fontes próximas ao presidente Michel Temer, a carta enviada pelo chefe da Igreja Católica a Brasília, declinando de convite para visitar o país, não sinaliza uma suposta desaprovação ao governo brasileiro. Segundo esses interlocutores, o pedido do pontífice para que seja dada mais atenção aos pobres teria deixado o chefe do Executivo “feliz” por ir ao encontro de suas metas em relação à população brasileira.

O papa Francisco foi convidado pelo governo Temer para participar, em outubro, das comemorações alusivas aos 300 anos da aparição da padroeira Nossa Senhora Aparecida no Brasil. A recusa já havia sido comunicada ao Planalto por intermédio da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), segundo funcionários da Presidência.

“Ao ler a carta, Temer ficou feliz e viu que a mensagem do Papa coincide com o que ele tem feito no governo”, disse o deputado Arthur Maia (PPS-BA), em referência ao pedido do pontífice em relação aos pobres.

Doria – De passagem pelo Vaticano, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), reforçou nesta quarta-feira o pedido do governo brasileiro ao Papa. Após assistir à audiência geral de Francisco, o tucano disse que tentou convencer o líder religioso a mudar de ideia. “Ofereci a camisa da seleção brasileira assinada por todos os jogadores ao Santo Padre e disse que gostaria de pedir, em nome do povo brasileiro, que ele revisasse sua decisão de não ir ao Brasil em outubro”, contou Doria à imprensa após o encontro.

“Ele respondeu que sabia da importância do evento, mas que era ‘difícil’. Eu rebati que ‘difícil não é impossível’, pois são 130 milhões de católicos no Brasil que vão saudá-lo”, disse o prefeito de São Paulo. “O Papa respondeu sorrindo: ‘vamos ver, mas o Brasil terá sempre minhas bênçãos'”.

Maior país católico do mundo, o Brasil recebeu uma visita de Francisco em 2013, durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ). Com informações da agência ANSA.

bahia.ba

Tempero do Baiano

Comentários

Leia Mais

TVAgora

Feira do Livro 10 anos: Rita Brêda

mais vídeos ›