Epigenética: nutrição na ativação de genes

Foto: Pinterest

Duas pessoas geneticamente iguais, com a mesma informação de DNA, apresentam condições de saúde totalmente diferentes, em razão terem estilos de vida diferenciados: um detém boa quantidade de massa muscular e não fica gripado há 10 anos; o outro, além de ir frequentemente precisar dos serviços médicos, e ir ao hospital com muita frequência, ele tem sobrepeso. Ambos são filhos de pai que tem graves problemas cardíacos e acredita-se que esse problema também será um problema na vida dos filhos, mas o primeiro prática exercícios diariamente e tem uma alimentação adequada para prevenção de problemas cardiovasculares, procura sempre manter a quantidade de tecido adiposo(gordura) bem abaixo do limite, enquanto o segundo, ao longo da sua vida, pouco se preocupou com isso. Como podemos deduzir facilmente, um terá boa qualidade de vida, e o outro não. Vamos nomear o saudável de Brócolis e o sedentário de Pizza.


Brócolis tem o mesmo gene quando criança que Pizza, como pode as informações genéticas que são iguais funcionarem de formas diferentes?


Para entender isso, vamos imaginar dois motores de carro totalmente iguais e flex, aqui eu os chamarei de A e B: o motor A foi toda vida abastecido com gasolina, e o B, sempre com álcool. Com um objetivo de medir a quantidade de poluentes liberado por cada automóvel, percebe-se que o carro a gasolina poluiu muito mais a atmosfera do que o abastecido com o combustível vegetal. Mesmo motor, mas um resultado diferente.

Analogicamente, defino a alimentação como combustível para o funcionamento das funções orgânicas do corpo humano. Que combustível Brócolis vem fornecendo, diferente de Pizza, para que ele tenha se tornado um indivíduo saudável?

Podemos perceber que foi realizada uma busca pela saúde e uma alimentação mais adequada, que resultou em melhor composição corporal. Dificilmente se obtém massa muscular sem musculação e uma boa alimentação, que muitas vezes evitam ativação de genes das doenças que já estão no DNA. Isso ocorre porque são os nutrientes que fazem as ativações no metabolismo do corpo humano. Sabendo que existem fatores hereditários, precisamos utilizar a epigenética para dar um passo à frente dessas alterações que também podem ter sido causada pelo estilo de vida dos pais e avós de Pizza e Brócolis.

Sabendo disso, felizmente afirmo que não somos dependentes da genética. Nossos genes positivos podem ser ativados com hábitos de vida saudável: uma boa alimentação, ingestão de água adequada e prática de exercícios regular. A alimentação deve ser a mais natural possível. Hoje, nosso acervo é justamente aquele que ativa genes negativos: muitos vegetais com agrotóxicos e proteína animal, geneticamente modificada com hormônios para suprir a demanda da população mundial.

O primeiro passo para evitar alterações negativas é não consumir álcool, fumo, gorduras transgênicas, açúcares refinados, conservantes e tantos outros alimentos maléficos para a renovação celular. Existem genes atuantes diretamente no combate de patologias como o câncer, doenças cerebrais e metabólicas. Podem ser ativados através de substâncias presentes em alguns tipos de vegetais de boa qualidade(orgânicos). Nossas células se renovam a todo tempo, todo cuidado é pouco para que nessa reprodução não tenha uma mutação negativa na sua composição.

Existe um caso de uma mulher que tinha 3 filhos, todos doentes. Na época não existia nutricionista e ela estava desesperada. As crianças começaram um acompanhamento com um médico naturalista que recomendou brócolis na alimentação deles. Após 3 meses todos estavam saudáveis e livres daquela patologia que foi ativada justamente pela alimentação inadequada que tinham em conjunto. Os japoneses têm uma cultura em consumir chá verde(gyokuro), e é a população que tem menor índice de câncer do mundo. A partir de uma pesquisa, descobriu-se que esse chá tem papel fundamental na ativação de um gene que defende o corpo de células cancerígenas.

Podemos observar nas estatísticas o crescimento de doenças várias, no decorrer das décadas. O que condiciona mais pessoas doentes, maior necessidade de medicamentos e hospitais e, e o crescimento acelerado de número pessoas, ainda na juventude, com patologias que antes tinham incidência maior na da terceira idade: Jovens com diabetes, hipertensão, problema cardíacos e respiratórios. Observando mais, chegamos até à alteração nos hábitos alimentares. Hoje um frango, que levava seis meses para ser abatido, é abatido com 20 dias; uma planta recebe grande carga química de inseticidas organofosforados, mesmo depois de várias pesquisas apresentarem o potencial negativo desses produtos na saúde humana. Antes se bebia mais água, hoje se bebe outros líquidos que não promovem a hidratação adequada, principalmente ao cérebro que é composto 85% de H2O.

Não vemos propagandas que incentivem o consumo de frutas e verduras orgânicas, alimentos integrais e a pratica de atividades física. Vivemos em um sistema capitalista, que usufrui, imperando a cada dia, dos problemas gerados por um estilo de vida não saudável, o qual ativa seu genes negativos e te faz adoecer. Assim, a indústria vende mais remédios, o governo paga menos aposentadorias e os humanos sobreviventes perdem a qualidade de vida. Podemos remar contra a maré procurando ser sentinelas, estar sempre atentos ao que comemos e bebemos.


Tome sol (meio dia) e beba água. Lembre-se: Você é o que você come!


Compartilhe nas redes sociais

Comentários